Evolução Uniforme da Hungria

Primeiro Uniforme

No início do século XX a Hungria ainda pertencia ao Império Austro-húngaro, mas as constantes e frustradas tentativas de independência lhe renderam ao menos alguma autonomia. Entre elas a formação de uma equipe nacional de futebol.

A primeira partida realizada pela Seleção Húngara de futebol foi, obviamente, contra a sua “irmã” a Seleção Austríaca, em Viena no dia 12 de outubro de 1902. Essa foi umas das primeiras partidas entre seleções não britânicas e o resultado foi uma vitória esmagadora dos austríacos por 5 a 0.

Os húngaros usam a mesma composição de uniforme desde sua primeira partida, camisa vermelho escuro, calção branco e meias verdes, em uma clara representação da bandeira nacional. Desde 1902 as únicas mudanças foram nos tons de vermelho e verde, um pouco mais claros ou escuro.

                                  

Historicamente a única alteração significante no uniforme ocorreu no emblema carregado no peito. Ao contrário da maioria das seleções, os húngaros estampam na camisa o brasão de armas do país e não o símbolo da federação. Por isso, sempre que ele mudou na política, mudou também na camisa.

O Brasão de Armas tradicional da Hungria conhecido como Kossuth foi usado desde a primeira partida até hoje, com exceção dos anos entre 1949 e 1989, período em que a Hungria se tornou uma nação comunista. Nessa época eles passaram a adotar outro Brasão de Armas com referências comunistas, inicialmente o chamado Rákosi-Címer formado por um martelo e um trigo cruzados sob uma estrela vermelha.  Em 1956 o martelo e o trigo foram substituídos por um escudo comas cores da bandeira formando o Kádár-Címer. Finalmente, em 1990 com a queda do governo comunista o Brasão retornou ao inicial.

         

Segundo Uniforme

O uniforme reserva dos húngaros é inteiramente branco com detalhes em vermelho e verde, e também não sofreu grandes alteração além das mudanças no emblema. Ainda assim, houve um longo período, da década de 10 até a década de 50 que eles usaram no peito faixas horizontais, vermelhas, brancas e verdes formando a bandeira húngara. Depois disso a camisa passou a ser inteiramente branca.

Como o calção dos uniformes principal e reserva é o mesmo (branco), sempre que necessário a Seleção Húngara utiliza uma segunda versão vermelha, no mesmo tom da camisa.

 

Para ver a evolução do uniforme da Seleção da Holanda em Copa click na imagem abaixo.

Paraguai 1958

Em 1958 o Paraguai disputou o seu terceiro Mundial, mas o primeiro fora da América do Sul. A classificação veio diante da poderosa Seleção Uruguaia e com uma surpreendente goleada de 5 a 0. Ainda assim, os paraguaios não eram vistos como uma força para a Copa.

A estreia foi contra a Seleção Francesa, e quem olha o resultado, 7 a 3 para os franceses não tem a ideia correta do que foi o jogo. Os sul-americanos abriram o placar e depois de tomar a virada voltaram à frente do marcador fazendo 3 a 2. Semente depois de perder o meia Parodi e ficar com um a menos é que os franceses conseguiram a vitória.

Na segunda partida, contra a Escócia, os “Guaraníes” engrossaram ainda mais o jogo e, mesmo confundindo valentia com violência em vários momentos, conquistaram a vitória por 3 a 2.

Eles chegaram ao último jogo da primeira fase precisando vencer a Iugoslávia para passar à próxima fase, aos europeus bastava o empate. A tática foi a mesma, muita vontade, violência e pontapés, mas desta vez o adversário possuía as mesmas armas e o resultado consequentemente foi o empate. Os iugoslavos passaram a frente 3 vezes, mas os paraguaios sempre buscaram o empate, marcando o 3 a 3 aos 45 min do segundo tempo.

Apesar de eliminado na primeira fase, da goleada para a França, da violência exagerada e da 12ª colocação geral, a Seleção Paraguaia disputou uma Copa muito digna. Longe de ser o saco de pancada esperado, eles conseguiram endurecer a partida contra adversário poderosos, marcando 9 gols em 3 jogos, conquistando um empate e uma vitória.

Assim como na Copas anteriores o Paraguai usou seu uniforme tradicional em todas as partidas. Calção azul e camisa listrada em vermelho e branco, a única diferença foram as meias que nesse Mundial foram brancas com detalhe superior em vermelho.

PRIMEIRO UNIFORME

 

Na primeira partida, contra a França, o goleiro Ramón Mayeregger usou um uniforme todo negro, mas depois de tomar 7 gols na estreia ele foi substituído pelo reserva Samuel Aguilar. Aguilar usou esse mesmo uniforme na partida contra a Iugoslávia.

UNIFORME DE GOLEIRO

No entanto, contra a Escócia o goleiro paraguaio usou uma outra versão, com uma camisa cinza e a inscrição “PARAGUAY” no peito.

SEGUNDO UNIFORME DE GOLEIRO

Argentina 1958

Em 1958 “Nuestros Hermanos” estavam de volta a uma Copa. 24 anos aviam se passo desde a última participação da Seleção Argentina em Mundiais, quando disputou um único jogo na Copa de 1934.

Nas eliminatórias os argentinos passaram por Bolívia e Chile, e no Mundial caíram no grupo da então campeã Alemanha, da britânica Irlanda do Norte e da sempre consistente Tchecoslováquia.

A estreia foi contra a Alemanha e o primeiro problema veio antes mesmo da bola rolar. Portenhos e germânicos tinham uniforme muito parecidos e mesmo com as listras celestes o arbitro pediu para que os argentinos usassem uma camisa alternativa. Como eles não tinha um, a solução foi pegar emprestado a camisa de um time loca, o IFK Malmö. Por um desses acasos do destino a camisa da equipe sueca era amarela e a Seleção Argentina não deve outra escolha senão estreias na Copa de 58 usando a “amarelinha” do seu arquirrival Brasil.

No jogo os argentinos abriram o placar logo no início, mas tomaram o revés perdendo por 3 a 1. O jogo seguinte foi contra a Irlanda do Norte e nessa partida a situação se inverteu, os “Hermanos” saíram a trás do marcador, mas venceram por 3 a 1.

O grupo chegou embolado na última rodada e uma vitória sobre a Tchecoslováquia garantiria a Argentina na segunda fase. Contudo a partida foi um verdadeiro passeio dos tchecos, a zaga argentina falhou muito e os eslavos abriram 3 a 0 ainda no primeiro tempo e no final venceram por 6 a 1. Com essa derrota a Argentina não se classificou para a segunda fase e terminou o Mundial na 13ª colocação.

Nessa Copa a argentina usou seu uniforme tradicional com calção e meias pretas e a camisa listrada em branco e azul celeste apenas nas duas últimas partidas, contra Irlanda do Norte e Tchecoslováquia.

PRIMEIRO UNIFORME

  

Mas como já foi dito, na estreia contra a Alemanha os argentinos improvisaram a camisa amarela do IFK Malmö com o calção e as meias pretas.

UNIFORME ALTERNATIVO

O goleiro argentino Amadeo Carrizo usou um uniforme composto por camisa amarela com calções e mais pretas.

UNIFORME DE GOLEIRO

Mas esta camisa também só foi usada nas partidas contra Irlanda do Norte e Tchecoslováquia. Isso por que no jogo contra a Alemanha os jogadores de linha já estavam de amarelo, então o goleiro também improvisou um camisa, preta com gola e mangas brancas e sem número.

UNIFORME DE GOLEIRO ALTERNATIVO

Escócia 1958

Os escoceses chegaram ao seu segundo Mundial com moral depois de eliminar a poderosa Espanha nas eliminatórias, mas caíram em um grupo forte com França, Iugoslávia e Paraguai (ainda que este último não botasse medo em ninguém.

A estreia foi contra a Iugoslávia que abrio o placar ainda no primeiro tempo. O time do leste europeu continuou pressionando, mas em um dos poucos ataques a Escócia empatou e segurou o resultado de 1 a 1 até o fim.

O próximo adversário seria o Paraguai, e a equipe gaélica esperava vencer com facilidade. No entanto eles não estavam preparados para a forma de jogo paraguaia. No primeiro tempo o futebol prevaleceu e os sul-americanos abriram 2 a 1, mas no segundo tempo a partida virou uma verdadeira guerra, entre uma agressão e outra cada equipe marcou um gol e foi só. Os escoceses sofreram com a violência do adversário e não perderam apenas a partida por 3 a 2, mas também seis jogadores para o jogo seguinte.

A última partida foi contra a França e os escoceses precisavam vencer para manter a esperança de classificação. As franceses que só precisavam de um empate, mas pressionaram e abriram 2 a 0 no primeiro tempo. No segundo os escoceses conseguiram diminuir, no entanto com o desgaste e os desfalques gerados na partida anterior, eles não conseguiram buscar o empate, sendo eliminados ainda na primeira fase. Com essa campanha de 1 empate e 2 derrotas a Seleção da Escócia teve uma das piores campanhas dessa Copa, terminando na 14ª colocação.

A Seleção da Escócia usou combinações de uniforme diferentes em todas as partidas que disputou. O uniforme principal com camisa azul escura, calção branco e meias azuis foi usado apenas na partida contra o Paraguai.

PRIMEIRO UNIFORME

    

Nas outras duas partidas os escoceses usaram seu uniforme reserva, camisa branca e calção azul. A única diferença foram as meias, contra a Iugoslávia eram vermelhas e contra a França azuis.

SEGUNDO UNIFORME

Como já escrevi algumas vezes, nessa época os goleiros de origem britânica costumavam usar calções e meia iguais aos dos jogadores de linha mudando apenas a camisa. Foi assim em todas as partidas desta copa, no jogo contra o Paraguai o goleiro Tommy Younger jogou com camisa amarela, calção branco e meias azuis.

UNIFORME DE GOLEIRO

Na estreia ele usou a camisa reserva que provavelmente era verde, com o calção azul e as meias vermelhas como os jogadores de linha. Já na última partida quem jogou foi o goleiro reserva Willie Brown, pois Younger se lesionou na partida contra o Paraguai, a única mudança foram as meias azuis iguais aos jogadores de linha.

SEGUNDO UNIFORME DE GOLEIRO

Evolução do Uniforme da Holanda (Países Baixos)

Primeiro Uniforme 

A Associação de Futebol Real da Holanda (KNVB) foi fundada em 1889 e filiou-se à FIFA em 1904, mas a primeira partida oficial desta seleção só ocorreu em abril de 1905. Neste encontro os holandeses que venceram a Bélgica por 4 a 1 ainda não usavam a tradicional camisa laranja. O uniforme usado era composto por uma camisa branca com listras diagonais nas cores da bandeira holandesa (azul, branco e vermelho) com caçoes e meias pretas.

A tradicional camisa laranja só foi introduzida dois anos mais tarde, em abril de 1907, contra a mesma Bélgica em sua sexta partida oficial. A escolha dessa cor tão icônica e que não está presente na bandeira se deve a homenagem a Guilherme de Orange impulsionador da independência dos Países Baixos e conhecido como o fundador da nação. Esta também é a cor nacional e da família real. (Lembrando que os Países Baixos ainda são uma monarquia e que a designação Holanda não está totalmente correta, pois esta é apenas uma das províncias desde pais).

Inicialmente o laranja da camiseta era acompanhado por calções brancos e meias azuis e algum tempo depois as meias se tornaram laranjas também. No início dos anos 70 os holandeses passaram a usar o calção preto como sua primeira escolha em muitas oportunidades. Já na Copa de 1978 o calção laranja (formando pela primeira vez um uniforme inteiramente nesta cor) também foi usado.

O calção branco voltou ainda no final desta década e os detalhes nas camisa que antes eram pretos também se tornaram brancos. O uniforme principal se manteve dessa forma por muito anos, incluindo a mais famosa camisa holandesa, produzida pela Adidas e com detalhes geométricos e em degrade. Essa camisa usada na Euro de 1988, foi muito controversa na época, mas hoje sem dúvida é um clássico.

Nesse grande período apenas os detalhes da camisa variaram entre o branco o preto e o azul, até que em 2000 o calção principal voltou a ser preto por um curto período. Em 2004 ele retorna ao branco e em 2006 as meias se tornam azuis.

Desde então o conjunto vai mudando em todas as temporadas e em 2012 a Nike lança um uniforme inteiramente laranja, depois da combinação tradicional em 2014, a empresa americana traz mais uma inovação em 2016 com camisa e calção laranja e meias azuis. Em 2018 o conjunto tradicional retorna.

              

Segundo Uniforme

 A Seleção dos Países Baixos estreou em Mundiais na

Copa de 34 e em sua primeira partida os holandeses usaram seu uniforme reserva: inteiramente azul com as meias em um tom mais claro.

Nas décadas seguintes o uniforme reserva passou a ser inteiramente branco e de 1978 até 1996 camisas e meias continuaram brancas, mas o calção era laranja.

Em 1996 a Nike lança um dos uniformes reserva mais bonitos entre todas as seleções na minha opinião. Com camisa e meias azuis com detalhes me laranja o calção laranja, ele ficou elegante e moderno. Na versão seguinte em 98 o calção fica azul e as meias laranjas, e em 2000 o uniforme reserva se torna inteiramente azul.

Em 2002 a Nike introduziu mais uma grande novidade com a primeira camisa preta usada pela Seleção Holandesa. Esse uniforme inicialmente era completado pelo calção laranja e as meias pretas, mas também foi usado na versão inteiramente preta.

Depois uma versão bem tradicional em 2004 a Nike lança um uniforme reserva fazendo referência à primeira camisa usada em jogos oficiais em homenagem ao centenário desta. Além da camisa branca com as faixas diagonais nas cores da bandeira o uniforme era composto por calção azul e meias brancas.

Em 2007 o uniforme é semelhante ao anterior, mas a camisa ganha um tom de azul claro com detalhes nas cores da bandeira o que o deixa muito parecido com um pijama e em 2010 a camisa volta a ser branca.

A próxima mudança arrojada da Nike acontece em 2012 com o lançamento de um uniforme inteiramente negro com detalhes em laranja na camisa, esse lindo uniforme só foi usado durante uma temporada e no ano seguinte é substituído por um inteiramente branco com grandes detalhes vermelhos e azuis na camisa seguindo o padrão da camisa principal.

De 2014 para cá o uniforme reserva tem sido inteiramente azul, inicialmente em um tom bem escuro e com detalhes em laranja e agora em tons mais claros e com os detalhes em azul escuro.

                                           

Terceiro Uniforme e Uniformes especiais

Os Holandeses introduziram alguns terceiros uniformes nos anos 80 e início dos anos 90, inteiramente azuis e com tons variados. Já em 2004 o terceiro uniforme foi inteiramente preto seguindo a receita encontrada em 2002.

Em 2005 em uma série de amistosos os holandeses usaram um uniforme especialmente produzido pela Nike nas cores preta e branca em campanha contra o racismo.

                              

Áustria 1958

A Áustria de 58 já estava longe do seu auge da década de 30, mas ainda era uma equipe forte e respeitada no continente europeu. No entanto, a forma controversa encontrada pela FIFA para sortear os grupos do Mundial foi cruel com o povo do “reino oriental”. Os austríacos caíram no grupo mais complicado da Copa, junto com Brasil, Inglaterra e União Soviética.

A estreia foi contra a imprevisível Seleção Brasileira. Os austríacos seguraram o zero a zero até quase o final do primeiro tempo, mas então os brasileiros, que jogavam melhor, conseguiram abrigar o placar e na segunda etapa fizeram mais dois para fechar a partida vencendo por 3 a 0.

A segunda partida foi contra a União Soviética que, apesar de ser estreante em Copas, tinha uma grande equipe e era a atual campeã Olímpica de 56. Os austríacos jogaram melhor, mas o grande goleiro Yashin (já na época como aranha negra) teve uma participação brilhante pegando até pênalti. Os Soviéticos com seu jogo pragmático tiveram duas oportunidades e não desperdiçaram, vencendo por 2 a 0.

Com as duas derrotas os austríacos chegaram à última partida contra a Inglaterra sem chances de classificação e tudo indicava um terceiro revés. Contudo, a Seleção Austríaca surpreendeu ficando à frente do placar duas vezes. Os ingleses ainda conseguiram buscar o empate em 2 a 2, mas pelo menos o time austríaco terminou o Mundial com 1 pontos o que o tirou a última colocação.

Nas duas primeiras partidas os austríacos usaram seu uniforme até então tradicional, camisa branca com calção e meias pretas. Esse uniforme era basicamente idêntico ao usado na Copa anterior. Uma curiosidade é que as camisas usada nessas duas partidas não eram exatamente iguais. Contra o Brasil a manga era curta e a gola era em V, já contra a União Soviética a camisa era de manga longa e tinha cola polo.

PRIMEIRO UNIFORME

   

Na terceira partida, contra a Inglaterra, os austríacos usaram seu uniforme reserva com camisas e meias vermelhas e calção branco.

SEGUNDO UNIFORME

O goleiro Rudolf Szanwald (contra o Brasil) e o seu reserva Kurt Schmied (contra a União Soviética) usaram uniformes inteiramente negros, mas a camisa do segundo possua a gola branco.

UNIFORME DE GOLEIRO

Já na última partida contra os inglese, o titular Rudolf Szanwald retornou ao time usando um uniforme diferente, a camisa era amarela e o calção e as meias era iguais aos dos jogadores de linha, branco e vermelho respectivamente.

SEGUNDO UNIFORME DE GOLEIRO

México 1954

Novamente os mexicanos não tiveram dificuldades em passar pelas eliminatórias da América Centras e do Norte, chegando a sua 3ª Copa seguida e 4ª no geral.

Nesta Copa os países foram divididos em quatro potes: o dos britânicos, o dos americanos, o dos europeus democrático e dos socialistas. Foi então sorteado um país de cada pote para compor os quatro grupos do Mundial.

Os mexicanos caíram no grupo 3, com a anfitriã Suécia, a Hungria e o País de Gales. A partida de estreia foi também a inaugural da Copa e contra os donos da casa. O Rei Gustaf VI da Suécia abriu o Mundial e viu sua Seleção vencer os mexicanos por 3 a 0.

Depois de mais um início desanimador em Copa, parecia que o roteiro seria o mesmo para a Seleção Mexicana. Na segunda partida o adversário seria o País de Gales, estreante em Copas, mas que ainda assim era visto como favorito para a disputa. Os galeses chegaram a abrir o placar e por pouco não ampliaram ainda no 1º tempo. No entanto, os mexicanos foram buscar o empate aos 44 do 2º tempo, conquistando seu primeiro ponto depois de dez partidas em Mundiais.

A Seleção Mexicana surpreendentemente chegou à última rodada ainda com chances de classificação, mas para isso precisava vencer a poderosa Hungria. Os húngaros não eram nem sombra do time vice-campeão em 54, mas ainda assim, sobraram na partida e golearam por 4 a 0. Dessa forma, mesmo marcando seu primeiro ponto em copas, os mexicanos ficaram na 16ª e última colocação em 1958.

Nesta Copa a Seleção Mexicana abandonou a camisa grená com calção negro (que ainda seria usada como uniforme reserva no futuro) e estreou o kit que hoje já tão tradicional: camisa verde com cação branco, contudo nesta época as meias eram verdes. Os mexicanos usaram esse uniforme em todas as partidas deste Mundial.

PRIMEIRO UNIFORME

Os goleiros Carbajal chegava ao seu terceiro Mundial e seu uniforme era composto por uma camina amarela com o número 1 em branco, calção preto e meias pretas. No entanto, esse uniforme foi usado apenas nos dois últimos jogos, contra País de Gales e Hungria.

UNIFORME DE GOLEIRO

Na partida de estreia contra os suecos, que também jogavam de amarelas, o goleiro teve que arranjar uma camisa para não confundir com os adversários. Ela era peculiar, com a numeração improvisada e ainda tinha uns detalhes curiosos em branco e preto.

UNIFORME DE GOLEIRO ALTERNATIVO