TOP 10 – Camisa mais Feia

Os uniformes usados até as primeiras décadas do século passado eram muito simples e não continham muitos detalhes. Com o passar do tempo e a evolução tecnológica, não só a qualidade do tecido melhorou, mas também surgiu a possibilidade dos designers inovarem e levaram sua criatividade ao extremo. Desde as famosas marcas d´água dos anos 90 até os micro detalhes nas golas e no interior das camisas atuais.

No entanto, nem sempre é possível agradar a todos, e de vez em quando as coisas não dão muito certo. É claro que, apesar de existirem algumas convergências, definir se um uniforme é feio ou bonito é uma questão de gosto pessoal. Dessa forma, o que feio para mim pode ser lindíssimo para outra pessoa.

Esse é o primeiro TOP 10 que eu escrevo baseado exclusivamente na minha opinião, por isso possivelmente você irá descordar da ordem ou se lembrar de alguma camisa que esteja faltando. Então comente lá o que você achou, qual é a mais feia na sua opinião, a camisa faltou etc…

Para ver a lista das 10 improvisações de uniformes mais marcantes das Copas click na imagem a baixo.

Anúncios

Brasil 1954

Quatro anos depois de sofrer uma das mais importantes derrotas de sua história a Seleção Brasileira volta a um Mundial em 1954, já como a único a ter disputados todas as Copas anteriores.

Assim, como o uniforme a equipe era toda nova e contava com craques como Nilton Santos e Didi. A nova camisa foi usada pela primeira vez nas eliminatórias e o resultado não poderia ser melhor, quatro vitórias em quatro jogos e a vaga garantida.

Na Copa o primeiro adversário foi novamente a fraca Seleção Mexicana (assim como em 50). O Brasil aproveitou bem a ausência do goleiro titular, Carbajal, e golearam por 5 a 0.

A partida seguinte foi contra a Iugoslávia, que havia vencido a França em sua estreia. Dessa forma, embora os brasileiros não soubessem, bastaria o empate para as duas equipes continuarem na competição. O jogo foi muito disputado e os iugoslavos abriram o placar no início do segundo tempo, mas o Brasil conseguiu buscar o empate e a partida foi para a prorrogação. Sabendo que o placar era bom para ambos os iugoslavos tentaram alertar os jogadores brasileiro, que desconhecendo o regulamento do campeonato, interpretaram aquilo como uma provocação. Ainda assim, o jogo terminou empatado e as duas equipes passaram para a segunda fase.

Em sorteio foi definido que o Brasil enfrentaria a Hungria (maior favorita ao título daquele ano) na quartar e mesmo sem seu principal jogador, o craque Puskas, os húngaros não deram chances ao Brasil. A Hungria abriu 2 a 0 logo no início do jogo, mas os brasileiros equilibraram a partida que chegou a estar 3 a 2 no meio do segundo tempo. Porém faltou cabeça aos jogadores brasileiros que começaram a apelar para a violência resultando em duas expulsões e mais u gol húngaro. Com a eliminação o Brasil terminou a Copa de 1954 ocupando a 6ª colocação.

Depois do trauma em 50 os dirigentes brasileiros decidiram aposentar a camisa branca, pois esta traria má sorte. Foi feita então um concurso para eleger o novo uniforme da Seleção Brasileiro. O vencedor foi o gaúcho Aldyr Garcia Schlle com a proposta da camisa amarela o calção azul e as mais brancas. Nascia assim a “Seleção Canarinho” e a camisa mais respeitada do futebol mundial. Esse novo uniforme foi usado nas três partidas dessa Copa.

PRIMEIRO UNIFORME

O goleiro Castilho disputou as três partidas da Copa com um uniforme todo negro, com meias brancas e na camisa havia o logo da então CDB além da inscrição BRASIL, esse layout nas camisa dos goleiros brasileiros permaneceram assim durante muitos anos.

UNIFORME DE GOLEIRO

Evolução do Uniforme da Espanha

Primeiro Uniforme

A Seleção Espanhola de futebol foi criada para representar o país na Olimpíada da Antuérpia em 1920 e desde de suas primeiras partidas usou a camisa vermelha, fato que posteriormente lhe deu o apelido de la Roja.

A primeira camisa tinha no peito um leão rampante amarelo, antigo símbolo do Ducado de Brabante que pertencia à Espanha e onde agora se localizava a Antuérpia. O uniforme ainda trazia calções brancos e meias pretas.

A partir de 1921 o calção azul foi introduzido e a Seleção Espanhola passou a jogar com o símbolo da Real Federação Espanhol costurado no peito até 1936. Nesse período os espanhóis também disputaram algumas partias com camisas brancas.

No ano de 1936 teve início a Guerra Civil Espanhola, período em que o país se dividiu em dois, nacionalista e republicanos. As poucas partidas disputadas ocorreram na “zona nacional”, mas como o vermelho representava os republicanos ele foi abandonado e deu lugar ao branco. Durante a guerra a Seleção Espanhola chegou a usar no peito as flechas da Falange, símbolo do Falangismo (ideologia política radical e principal apoiadora do grupo nacional).

A Guerra chegou ao fim em 1939 com a vitória dos nacionalistas e a camisa passou a ser azul, já que o vermelho era a cor que representava os republicanos. Os calções também mudaram para branco e as meias permaneceram pretas. Outra mudança significativa foi a substituição do escudo da Real Federação Espanhola de Futebol pelo brasão Nacional, mudança que permanece até hoje.

O uniforme permaneceu assim até 1947 quando o Delegado Nacional de Desportos determinou a volta do uniforme original com camisa vermelha e calção azul, e a camisa azul passou a ser usada como uniforme reserva.

Depois disso o uniforme principal da Espanha permanece praticamente inalterado até os dias atuais só variando a cor das meias em algumas ocasiões.

Em 1981ª adidas se torna distribuidora da Seleção Espanhola e realiza algumas pequenas mudanças, ela introduz as três tradicionais listras na manga na cor amarelas e pela primeira vez o logo de uma marca esportiva é estampado na camisa. Além disso, o brasão Nacional também mudou, sai a águia imperial e entra o atual Escudo Espanhol.

Entre 1983 e 1991 a Espanha assina com a empresa francesa Le Coq Sportif, mas nenhuma mudança significativa é feita em seu uniforme principal. Em 1991 a Espanha volta para a Adidas e a parceria permanece até hoje.

Em 1994, pela primeira vez as meias deixam de ser pretas e passam a ser azuis iguais ao calção. A mudança permanece até 2009 quando elas mudam novamente, agora para vermelho e em 2013 os calções também se tornam vermelhos e pela primeira vez os espanhóis tem um uniforme principal inteiramente vermelho. Finalmente em 2015 o calção volta a ser azul e as meias pretas retornando ao uniforme original.

                                                         

Segundo Uniforme

Em suas primeiras décadas a Seleção Espanhola não possuía um uniforme reserva, mas alternada entre a camisa vermelha e a branca. Como a vermelha era mais comum a branca passou a ser considerada a reserva.

Em 1947 quando o uniforme principal retornou às suas cores originais a camisa azul, com calção branco e meias pretas passou a ser usado como uniforme reserva. Essa combinação foi usada inclusive durante a Copa do Mundo de 1950 no Brasil, na partida contra o Chile. Anos depois o calção também passou a ser azul e a única diferença entre o uniforme principal e o reserva passou a ser a cor da camisa.

O uniforme reserva permaneceu assim por várias décadas inclusive quando a Espanha assinou com a Adidas, no entanto pouco antes de terminarem a parceria a Adidas produziu um terceiro uniforme todo branco e com detalhes em vermelho que na verdade nunca chegou a ser usado.

Parece que a ideia agradou e quando a Le Coq Sportif assumiu em 1983 produziu o uniforme reserva dessa mesma forma, branco com detalhes em vermelho. Ainda assim, é difícil se desfazer de algumas tradições e por isso um terceiro uniforme todo azul também foi produzindo. Na verdade, esse se tornou o padrão das décadas seguintes, ter dois uniformes reservas um todo branco e outro todo azul.

Até que em 2005 já com a Adidas novamente apenas a versão branca foi produzida e pouco depois em 2007 finalmente houve uma mudança significativa. A Adidas produziu uma camisa reserva de uma cor entre o dourado e o bege e oficialmente o calção e as meias eram brancos, mas sempre que possível eram usados o calção e as meias azuis do uniforme principal.

Depois disso acabou a mesmice e o uniforme reserva espanhol passou a mudar anualmente. Em 2010 foi todo azul escura e em 2011 todo branco. No ano seguinte mais uma grande mudança a camisa reserva era azul clara com detalhes em azul marino.

Finalmente em 2014 houve a maior alteração já produzido no uniforme espanhol, a adidas produziu um uniforme todo preto com detalhes em amarelo “marca texto”. No entanto a pedido da FIFA (que ficou insatisfeita com as versões, pois queria que as seleções tivessem um kit claro e outro escuro) um terceiro uniforme todo branco foi produzido para o Mundial daquele ano.

Em 2015 o Branco voltou, mas dessa vez a camisa trazia um grande padrão formado por triângulos vermelhos e amarelos, que mesmo parecendo aleatórios, representavam o mapa de calor gerado no gol de Fernando Torres na final da Euro de 2012. No entanto, parece que essa camisa não agradou a todos e apenas 11 meses depois uma nova camisa mais simples e toda branca foi lançada para substituí-la.

Para a temporada atual Adidas produziu uma camisa reserva difícil de definir, a camisa é de um tom de azul muito claro difícil até de distinguir do branco do calção durante o jogo. E os detalhes são de um tom vivo que fica entre o laranja e o pink.

Para ver a evolução do uniforme da Seleção da Espanha usado em Copa click na imagem abaixo.

Inglaterra 1954

Depois de estreia em Mundiais em 1950 com uma campanha decepcionante, os ingleses voltaram à uma Capa passando sem dificuldades pelas eliminatórias britânicas. Contudo a empolgação diminuiu quando o English team sofreu duas sonoras goleada para os húngaros durante a preparação.

Na Copa de 1954 os ingleses ficaram no grupo da anfitriã Suíça, junto com Itália e Bélgica. A estreia foi contra a Bélgica e os ingleses pareciam ainda estar abalados depois das derrotas na fase pré-Copa. Depois de tomar um gol logo aos 5 minutos, os ingleses conseguiram a virada e abriram 3 a 1 no placar. Ainda assim, permitiram a recuperação dos belgas e a partida terminou 4 a 4.

No jogo seguinte os ingleses conseguiram se impor sobre os donos da casa e venceram a Suíça por 2 a 0, terminando a primeira fase em primeiro do grupo.

Duas equipes de cada grupo passaram para a segunda fase, mas os confrontos não eram pré-determinados e houve um novo sorteio para defini-los. E foi assim que o então Campeão Mundial Uruguai entrou no caminho do English team. O jogo foi muito disputado e cheio de gols. Os ingleses novamente sofreram um gol logo aos 5 minutos de, mas conseguiram empatar 10 minutos depois e tiveram uma grande chance de virar a partida logo em seguida. O erro custou caro, os uruguaios fizeram o segundo gol ainda no primeiro tempo. No segundo tempo a Seleção Uruguai marcou mais dois e a Inglaterra apenas um fechando o placar em 4 a 2 para o Uruguai. Os ingleses foram eliminados e terminaram a Copa de 1954 na 7ª colocação.

O uniforme usado pelo o English team na Copa do Mudo de 1954 era praticamente igual ao de 1950. A diferença é que nessa Copa a camisa não era de botão, mas possuía uma gola polo bem cavada.

PRIMEIRO UNIFORME

  

Esse uniforme foi usado nas duas primeiras partidas contra Bélgica e Suíça, mas no jogo da segunda fase contra o Uruguai o Time Inglês usou meias vermelhas.

UNIFORME ALTERNATIVO

O goleiro Gilbert Merrick também usou um uniforme praticamente idêntico ao usado por
Bert Williams em 1950.

UNIFORME DE GOLEIRO

Na época os goleiros ingleses usavam o mesmo calção e meias dos jogadores de linha, por isso Merrick também usou meias vermelhas na partida contra o Uruguai.

UNIFORME DE GOLEIRO

Iugoslávia 1954

Depois de uma ótima participação em 1930 na primeira Copa da história e de ter caído ainda na primeira fase em 1950, os iugoslavos chegaram ao seu terceiro Mundial buscando se afirmar no cenário do futebol mundial.

A Iugoslávia chegou à Copa de 1954 com um time tão pragmático que venceu todas as partidas das eliminatórias por 1 a 0. Na estreia o adversário foi a França e a escrita permaneceu, os Iugoslavos abriram o placar no início do jogo e seguraram o resultado até o fim, vencendo mais uma partida por 1 a 0.

Os outros integrantes do grupo, Brasil e México se enfrentaram e de acordo com o regulamento questionável da Copa os vencedores se enfrentaram na segunda partida. Brasil e Iugoslávia fizeram mais um jogo truncado que terminou em 1 a 1. E então novamente o regulamento entrou em ação, de acordo com as regras a partida foi para a prorrogação e como o empate permaneceu as duas equipes passaram de fase eliminando França e México. Os brasileiros desenformados sobre essa regra bizarra, buscaram o gol alucinadamente enquanto os iugoslavos tentavam avisar que o empate seria bom para os dois.

Nas quartas o adversário foi a desacreditada Alemanha, que voltava a disputar uma Copa do Mundo depois da II Guerra Mundial. Os iugoslavos eram considerados favoritos, mas logo no inicio do jogo a Alemanha abriu o placar com um gol contra. A partir daí o jogo virou uma disputa do ataque iugoslavo contra a defesa alemã, e depois de inúmeras oportunidades perdidas para empatar, os alemães marcaram o segundo gol em um contra-ataque.

Com essa derrota e o empate na primeira fase os iugoslavos terminaram com a pior campanha entre as equipes que chegaram até as quarta-de-final, ocupando a 8ª colocação geral.

Nesse Mundial a Iugoslávia usou seu uniforme tradicional (camisa azul, calção branco e meias vermelhas) nas duas últimas partidas, contra Brasil e Alemanha e não venceu nenhuma.

PRIMEIRO UNIFORME

 

Contudo a estreia contra a França é controversa. Como as duas equipes possuem uniforme idênticos fica claro que uma delas utilizou uma camisa alternativa. Embora existam interpretações que mostram a França com camisas vermelhas, eu acredito baseado nas fotos e nos vídeos da partida que quem jogou de vermelho foi a Iugoslávia. Isso principalmente porque, a camisa dos iugoslavos parece mais escura que a dos franceses e o vermelho é sempre representado por um tom mais escuro que o azul em imagens preto e branco.

SEGUNDO UNIFORME

O goleiro Vladimir Beara usou um uniforme todo negro em todas as partidas dessa Copa.

UNIFORME DE GOLEIRO

Evolução do Uniforme da Escócia

Primeiro Uniforme

Em 5 de março de 1872 o Queen’s Park FC, primeiro clube de futebol escocês, disputou sua primeira partida internacional contra a Inglaterra. Apesar da Associação Escocesa de Futebol ter se formado apenas no ano seguinte, esta foi reconhecida como o primeiro jogo disputado pela Seleção Escocesa.

O uniforme usado pelo Queen’s Park FC era a mesma camisa azul-marinho adotada até hoje pelos escoceses com calões brancos e meias na mesma cor da camisa. Contudo, demorou algum tempo até que este se tornassem a primeira escolha regular e várias outras combinações fossem testadas antes da Primeira Guerra Mundial.

Em 1881, os escoceses usaram uma camisa listrada em amarelo e rosa, cores de Archibald Primrose, o 5º Conde de Rosebery, um dos primeiros patronos da FA escocesa. No ano seguinte, a equipe jogou contra a Inglaterra vestindo a camisa azul e branca da equipe de rúgbi Edinburgh Academicals com a adição do escudo escocês no peito. No entanto, eles usaram camisas vermelhas e brancas contra o País de Gales em Hampden ainda no mesmo mês.

A camisa azul marinho retorno em 1883 como o surgimento do Campeonato Britânico (campeonato anual entre os quatro países da Grã-Bretanha que existiu durante cem anos). Nessa versão o tradicional leão vermelho do escudo, foi substituído por um cardo, flor característica da Escócia, mas normalmente associada ao rúgbi.

Na primeira década do século XX o uniforme principal dos escoceses variou entre o tradicional azul-marinho e o alternativo amarelo e rosa. Depois disso ele se manteve praticamente inalterado, mudando apenas a cor das meias que em 1954 passaram a ser vermelhas. Nessa mesma época o uniforme escocês passou a ser produzido pela Umbro eu permaneceu até os anos 2000.

A próxima mudança significativa ocorreu em 1994 quando a Umbro criou um uniforme baseado nos famosos xadrezes escoceses tão presentes nos kilts. Tanto a camisa quanto o calção eram feitos com um xadrez em tons de azul e com detalhes em amarelo, com as meias e as mangas azuis.

Em 1997 as cores tradicionais voltaram e mudaram muito pouco desde então. Passando por Fila, Diadora e Adidas desde 2010, as únicas mudanças forma na cor do calção e das meias que em algumas poucas versões foram azuis.

                 

 Segundo Uniforme

Desde seus primeiros anos a Seleção Escocesa precisou ter um uniforme reserva, isso porque sua vizinha e rival no Campeonato Britânico a Irlanda também usava camisas azuis até o início dos anos 30.

O primeiro uniforme reserva improvisado foi usado em 1902 contra a Irlanda e ela listrado em preto e branco. Alguns anos depois os escoceses estabeleceram a camisa branca como seu uniforme reserva.

No entanto entre 1947 e 1951 a peculiar camisa amarelo e rosa foi usada como uniforme reserva, fazendo sua última aparição em 1951 quando os escoceses venceram a França por 1 a 0.

Depois disso o uniforme voltou a ser composto por camisa branca calção azul e as meias brancas ou azuis. Até que em 1980 as coisas mudaram e o uniforme reserva dos escoceses passou a ser um espetáculo a parte, a criatividade não tinha limites.

Ele foi vermelho, amarelo, cor de rosa, branco com listras amarelas e mesmo quando foi branco tinha detalhes diferentes e extravagantes. Tudo isso ainda com a Umbro.

       

Com a saída da Umbro no ano 2000, a Fila e posteriormente a Diadora produziram uniformes mais conservadores variando entre o branco e o amarelo. Na versão de 2007, uma das mais bonitas na minha opinião, a camisa branca traz um xis em azul-claro no peito em alusão a bandeira escocesa.

Entre os anos de 2005 e 2009 a Diadora também produziu um terceiro uniforme para a Seleção da Escócia, o primeiro foi azul-claro e o seguinte era todo na cor vinho.

             

No ano seguinte a Adidas assumiu e inicialmente manteve a tradição produzindo uma camisa amarela e na temporada seguinte branca. Em 2014, no entanto, a Adidas ousou e desenvolveu uma camisa reserva baseada no amarelo e rosa do Lord Rosebery, mas não foi muito bem aceito. Em 2016 outro modelo inusitado em rosa e preto. E finalmente em 2018 a Adidas retornou à já tradicional camisa amarela.

Para ver a evolução do uniforme da Seleção da Escócia usado em Copa click na imagem abaixo.

França 1954

Os Frances estiveram presentes nas 3 primeiras Copas do mundo, obtendo sempre colocações intermediarias (9ª em 30, 10ª em 34 e 8ª em 38). Depois de uma ausência por desistência na Copa de 50 os franceses chegaram ao seu quarto Mundial em 1954 só que desta vez as expectativas eram bem maiores.

 Depois de uma grande campanha nas eliminatórias os azuis chagaram ao Mundial como um dos cabeças de chave junto com o Brasil, o grupo ainda continha a Iugoslávia e México.

A estreia contra a Iugoslávia abriu a Copa de 54, e trouce algumas novidades. Esta foi primeira Copa transmitida ao vivo pela televisão (somente para alguns países da Europa é claro) e também foi a primeira vez que os jogadores tinham numeração fixa, do início ao final do Mundial.

Uma vitória praticamente classificaria a França para a próxima fase, já que o próximo adversário seria a fraca Seleção Mexicana, mas logo no início do primeiro tempo os iugoslavos abriram o placar e seguraram o resultado até o fim.

No jogo contra o México não havia escolha, a única chance era vencer e torcer para que houvesse um vencedor na partida entre Brasil e Iugoslávia, dessa forma teimamos um jogo desempate entre o perdedor e a Franca. Os franceses conseguiram aos trancos e barrancos fizeram a sua parte, abriram 2 a 0, tomaram o empate, mas aos 43 minutos do segundo tempo asseguraram a vitória com o terceiro gol. Contudo, a outra partida terminou em 1 a 1 e dessa forma os franceses foram novamente eliminados nas fazes iniciais do Mundial, ficando na 9ª colocação.

O tradicional uniforme francês foi o mesmo das Copas anteriores, camisa azul, calção branco e meias vermelhas.

PRIMEIRO UNIFORME

Ele foi usado nas duas paridas

O uniforme usado pelo goleiro François Remetter em 1954 foi um dos primeiros a ter algum tipo de detalhe até então, exceção feita aos goleiros que usavam o uniforme reserva dos jogadores de linha. O detalhe em questão era bem simples, uma listra vermelha na altura do peito em um uniforme todo preto.

UNIFORME DE GOLEIRO